Loading...

sábado, 26 de março de 2011

EDI (Electronic Data Interchange)

_________________________________________________
EDI (Electronic Data Interchange) é uma troca automatizada, computador-a-computador, de informações de negócios estruturadas, entre uma empresa e seus parceiros comerciais de acordo com um padrão reconhecido internacionalmente (EDIFACT/EANCOM).


Como funciona o EDI fornecedor e Varejo/Atacado
Da sua aplicação surge uma nova dinâmica no relacionamento entre a empresa e seus parceiros de negócios simplificando toda a rotina de papéis e procedimentos, integrando processos, reduzindo custos e aumentando produtividade. No EDI o comerciante envia eletronicamente o seu pedido para a indústria e/ou atacadista. Este atende o pedido e envia, antes da entrega física, uma cópia da nota fiscal. Desta maneira são eliminados erros e a entrega é agilizada.


Qual a importância do EDI
Em um mercado cada vez mais dinâmico e competitivo, a automação dos processos ultrapassou as fronteiras da empresa para avançar nas relações entre indústria e comércio. Neste contexto, a troca rápida de informações é fundamental para ganhar eficiência. Para eliminar as barreiras na comunicação entre empresas (pilhas de papéis, digitação, relatórios, etc.) foi desenvolvida uma tecnologia baseada em comunicação eletrônica na qual as informações vão e voltam sem qualquer interferência. Esta tecnologia é conhecida como EDI (Intercâmbio Eletrônico de Dados).



Benefícios

Identificados pelo setor
atacado/varejo
Identificados pela
indústria
• Diminuição de custos operacionais
• Redução de erros operacionais
• Agilidade na checagem de informações
• Agilidade na recepção da mercadoria
• Diminuição das devoluções
• Redução de custos de fretes corporativos
• Diminuição de erros e custos operacionais
• Redução de volume de devoluções
• Melhoria do nível de serviço
• Diminuição do ciclo do pedido


Existem diferentes definições para Comércio Eletrônico; algumas com conotações mais acadêmicas, outras mais práticas como as que podemos ver abaixo, porém, podemos perceber uma forte indicação de mudança na condução dos negócios. Exemplos de definições encontradas no mercado:
    • "… transferência virtual de valor."
    • "…compra e venda de produtos e serviços através da Internet."
    • "Uso da Internet para conectar parceiros de negócio no sentido
       de criar, gerenciar e estender relações comerciais em qualquer
       lugar, a qualquer hora e a qualquer momento."
    • "O Comércio Eletrônico não é apenas EDI e devemos nos liberar
       desta visão restrita…"

Procuramos ajustar e sintetizar estes conceitos e definir Comércio Eletrônico como:
    • "Nova forma de condução dos negócios que envolve transparência,
       conectividade e integração.
    • Proporciona a abertura da empresa para parceiros, fornecedores e       clientes;
    • Conecta a nova empresa expandida para a mídia universal
      eletrônica.
Porém, requer a integração e o alinhamento da tecnologia, dos processos e da performance humana através de uma estratégia contínua e envolvente."

Existem 3 tipos de valores comercializados no Comércio Eletrônico:
    • Produtos: bens não virtuais entregues através de redes de
      distribuição paralelas (ex: livros, cd´s, fitas de vídeo, etc)
    • Informação / Mídia: conteúdo virtual e disponível para compra
      imediata (ex: notícias, estudos / relatórios, publicações, áudio, etc)
    • Serviços: disponibiliza um serviço (ex: reserva de viagens, serviço
      financeiro, jogos interativos, comunicação, treinamento, etc)

Estes valores são explorados no mercado em duas categorias distintas:
    • Business to Business (B2B), que explora as relações entre
      parceiros de negócios;
    • Business to Consumer (B2C), que explora as relações entre a
      indústria ou comércio e o consumidor final.

Nenhum comentário:

Postar um comentário