Loading...

terça-feira, 16 de março de 2010

Estruturas de Produto

Case- Johnson Controls / Ford

Todos os dias eles fazem tudo sempre igual. Às dez para sete da manhã começa o turno de trabalho na Ford, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Simultaneamente, a 11 quilômetros dali, inicia se também a jornada na Johnson Controls, fornecedora exclusiva de bancos para os carros da montadora. Daí em diante, a vida das duas empresas é totalmente sincronizada, inclusive o horário de almoço. A semelhança na programação dos relógios de ponto tem uma explicação. A Johnson Controls faz parte do restrito grupo de fornecedores da Ford, integrado por empresas como a Goodyear e a Plascar, que opera no sistema conhecido como just-in-time seqüencial. Traduzindo: ela fabrica e entrega seus produtos no local, horário e ordem rigidamente combinados com o cliente. A pontualidade é o ponto forte da parceria. Da linha de produção da Johnson até a fábrica da Ford, o conjunto de bancos – os dois dianteiros e o traseiro – pode demorar, no máximo, 120 minutos. Tudo é minuciosamente cronometrado. Via computa­dor, a Ford avisa quais modelos começaram a ser produzidos na sua linha de montagem. Na fábrica da Johnson, que fornece bancos para os modelos Fiesta, Ka e Pampa, inicia-se a corrida contra o relógio. São 30 minutos para fabricar um lote de 48 bancos, mais 10 minutos para transportá-lo até o sistema de embarque no caminhão, na seqüência correia: o primeiro banco produzido deve entrar por último na carroceria, pois chegará na ordem em que deverá ser montado no auto­móvel. Gastam-se outros 10 minutos para carregar o caminhão e emitir a nota fiscal. A viagem entre as duas fábricas é feita em 30 minutos. Da portaria da Ford, onde a nota fiscal é checada, até o ponto de desembarque, são mais 20 minutos. Os últimos 20 são gastos com a descarga e a chegada do lote no ponto exato da montagem dos bancos na linha de produção. Toda essa operação é repetida cerca de 20 vezes ao dia, num total de 850 conjuntos.
Fonte: Adaptado de MAGELLA, G. Estoque zero não é coisa de japonês. Basta combinar direitinho com o fornecedor.
Portal Exame. ed. 633, São Paulo, 09 maio l997.





























































































Veja vídeos ilustrativos : montagem .


Nenhum comentário:

Postar um comentário